sábado, 25 de julho de 2009

Em algum lugar do passado

Aloha, rapaziada amiga do blog. Saudades de vocês! Muito trabalho, mas depois de um bom tempo, estamos de volta aqui com o "Em algum lugar do passado", trazendo hoje o bom seriado "A Gata e o Rato", que passou na Rede Globo e no SBT em meados da década de 80 e que traz como grande curiosidade ao lançamento do astro Bruce Willis. Que já mostrava nessa série o seu estilo um tanto quanto fanfarrão, evidenciado nas cenas de comédia e romance do filme e a sua vertente "policial", enfatizada nas cenas de ação e policiais do enredo da série. Algo que veríamos mais a frente em "Duro de Matar" e em outros filmes do excelente ator.


Mas, vamos ao que interessa. Em 1985, uma série revolucionou a TV americana:Moonlighting! Não, o âncora não ficou maluco... esse era o nome original do seriado, conhecido como "A Modelo e o Detetive" em Portugal e "A Gata e o Rato" no Brasil.


Essa foi uma série de televisão norte-americana, transmitida pela ABC, entre 1985 e 1989 e que teve 67 episódios. A série protagonizada por Bruce Willis e Cybill Shepherd que interpretam uma dupla de detetives privados e um tanto quanto amadores e atrapalhados. O enredo era uma mistura de comédia, drama e romance, tendo se tornado um dos maiores clássicos das séries de detetives.Eu ficava amarradão!


Criada por Glenn Gordon Caron, que também foi o produtor executivo da série. O tema de abertura foi interpretado pelo cantor de jazz, Al Jarreau e fez relativo sucesso. A série fala sobre uma modelo de sucesso, Maddie, que até levar um golpe de seu empresário e perder toda a sua fortuna, tinha uma vida de glamour e glória. Sem saber o que fazer após o ocorrido, sem dinheiro e cheia de dívidas, ela acaba descobrindo que a única coisa que lhe resta é uma agência de detetives chamada "City Angels", depois batizada para "Blue Moon". A agência era dirigida pelo cínico, mas charmoso David Addison e este a convence de que a agência pode ser a saída financeira para ela. As investigações da dupla eram recheadas de brigas e discussões, o que era o grande diferencial das séries da época. Os atritos, no entanto acabaram se transformando em romance, pois David parecia estar sempre discutindo com Maddie, mas, era apaixonado por ela. O romance era tão agitado quanto o relacionamento profissional dos dois e foram necessários dois anos para que os dois finalmente o iniciassem. Quem vivia assustada com as brigas dos patrões e não perdia a chance de fofocar era a secretária Agnes DiPesto (Allyce Beasley) feia para caramba que não cansava de ver os dois saírem discutindo do escritório deixando-a falando sozinha.

A série foi inspirada no filme "His Girl Friday", de 1940 estrelado por Cary Grant e Rosalind Russell e os atores tinham diálogos mais longos que qualquer outra série de TV da época. Uma estratégia usada pelos escritores para manter o interesse do público sem frustrá-lo em demasia. Outra saída era o uso das cenas de sonhos para os personagens demonstrarem seus sentimentos recíprocos. O 9º episódio da 2ª temporada "Seqüência do Sonho" é fruto da ousadia de Glenn, pois foi filmado em preto e branco e conta com a participação especial de Orson Welles, além de ser o primeiro episódio em que os protagonistas se beijam em sonho. Outros episódios marcantes da 2ª temporada foram o 15º "O Episódio de Natal",no qual toda a equipe participa cantando uma musica natalina e o episódio 20 "Testemunha para Execução" no qual David e Maddie se beijam quando pensam que não verão mais um ao outro, mas depois fingem que nada aconteceu quando o perigo passa... Aqui vamos relembrar o elenco...


A série teve seu clímax por ocasião do envolvimento entre os protagonistas e certamente a 3ª temporada foi a mais marcante da série. Os episódios "O Grande Segredo", "A Megera Domada" criaram uma expectativa quase insuportável nos fãs que encontram satisfação no episódio 14 "Estou Curioso, Maddie" quando depois de muitas brigas, discussões e até tapas os protagonistas enfim fazem amor. A cena foi assunto de alguns dos maiores jornais dos Estados Unidos, como o Chicago Tribune, Los Angeles Times e o New York Times (“Maddie Hayes e David Addison se tornarão amantes hoje à nove da noite, e a ABC quer ter certeza de que todos saibam disso”). Graças à estratégia do canal, à propaganda nos guias de TV e à ansiedade dos fãs, todo mundo ficou sabendo, mesmo: o episódio teve 44% de audiência nos EUA, em pleno horário nobre. 60 milhões de pessoas assistiram ao tão esperado, ahn... namoro.

Mas... e depois do tal episódio? Final feliz? Que nada! Depois que o casal briguento levou suas desavenças para embaixo dos lençóis, o seriado começou a perder audiência e a ter problemas de produção, com muitos atrasos e brigas entre a equipe. Os atores-protagonistas ficavam cada vez menos disponíveis para a série: Cybill estava grávida e Bruce Willis começou a aventurar-se no cinema - o primeiro filme da série "Duro de Matar" seria lançado em 1988 (em um dos episódios de “A Gata e o Rato”, David aparece em frente a um pôster do filme).Mas, teria sido a consumação da expectativa dos telespectadores que minou o interesse pela história? Foi o que disse grande parte da crítica. Os fãs defendem o seriado, dizendo que o que causou o seu declínio foi o casal protagonista não ter tido, ahn... um final muito feliz. Em 1989, foi ao ar o último episódio da série: “Lunar Eclipse”. Nele, Bert Viola (Curtis Armstrong, aquele do arroto astronômico em "A Vingança dos Nerds"), o divertido aprendiz de detetive, casa-se com Agnes Di Pesto. No seu auge, “A Gata e o Rato” conquistou picos de audiência e a simpatia da crítica. Ao todo, foram 39 indicações ao Emmy e 7 prêmios. Bruce Willis levou um Emmy e um Globo de Ouro de melhor ator. Cybill Shepherd, 2 Globos de Ouro. A música-tema da abertura (“Moonlighting Theme”, de Al Jareau) foi indicada ao Grammy de 1988. Maddie e David foram escalados várias vezes entre os “melhores casais da TV”. Depois de Maddie, Cybill Shepperd fez alguns filmes pouco conhecidos e vários trabalhos para a TV. Do seriado, Bruce Willis saltou para a telona pra virar um workaholic cinematográfico: só em 2005, ele estrela quatro novos filmes. Se deu bem, o moço. E daqui eu deixo o meu recado a galera do Maldita: tô na boa, tô na área! Quero ler o seu comentário e saber as próximas sugestões, ok? Beijos do âncora!


P.S: Essa série vem sendo exibida no canal a cabo TCM, todas as segundas ás 20 horas. Sugestão? Assista o seriado e depois se conecte em http://www.ofluminense.com.br/ ou no dial 540 AM - RJ e escute a galera do MFC, ao vivo e em tempo real!

11 comentários:

guerreira templante disse...

pla leandro inesquecivel,nossa assistia sempre!belisima lembrança!

Saulo disse...

Fala aí pessoal do Maldita. Hoje temos que ganhar de qualquer jeito do Inter que vem de vários desfalques e sérios.
Força Fogão!!!

MEUS PENSAMENTOS disse...

eu era apaixonada por essa serie
espera sempre ansiosa por mais um capitulo boas lembranças!
vc se lembra do casal 20,?

Didi Iashin disse...

Deliciosa lembrança!!
Há um episódio - não me lembro em que ano da série - em que temos Woopi Goldberg trabalhando, mais um outro ator cujo nome não me recordo - era famos, também e no episódio fazia o papel de matador.
Lembro-me que no final do episódio, vemos Maddie correndo em roupas chique e de tênis e, de repente, eles topam com o pessoal da carpintaria do estúdio desmontando o cenário, pois era o último episódio da temporada ... Muito louco e engraçado.
Você já falaram do CHiPs??
Eu adorava o seriado.

Karla Senira disse...

Pois é , essa eu via! tinha meus quase dez anos, mas via...rs e como o Bruce é charmoso ,não?

Mariana Zuzuca disse...

Até que enfim o ânciora acertou em uma que eu assisti. era molequinha, mas gostava e como era gata a maddie e gostoso o David. Show de bola, como o meu mengão!

Jorge Colina disse...

Ancora, tiorste aqui pela derrrota de nosso vasco, mas feliz e m comentar e parabéns pelo fiundo musical. enquanto comento me diverti com a dublagem e com a lembrança da série! Valeu d+!

Prof. Mota disse...

caraca, outra do fuindo do baú, epra falar verdade acompanhei esse ano pelo TCM. Bem legal e até um tanto quanto inocente para as séries de hoje,mas com o roteirista fazendo clichês cômicos que serviram de escada para o Bruce despontar no cinema, creio que o maior mérito dessa série tenha sido revelar o talento do camarada Duro de Matar!Muito bom, senhor âncora!

Robson Fontes - SG disse...

assistia bem, mas não gostava da música tema. Apesar de ser Al Jarreau! Cara, e bem interessante essa parada do clipe com a história da série... revivi o ambiente na boa.E a Maddie era qualquer coisa de outro mundo né?
Porque vocês não levam esse quadro para o programa de rádio de vocês? aliás , segunda passada o programa foi excelente: bom gosto musical e sacadas ótimas do Alberto no bizarro. Parabéns!

Gremista Fanático disse...

Muito bem pensando, esse seriado era muito maneiro, parabens pelo otimo post Leandro, abraço.
Saudações do Gremista Fanático

Lelleca disse...

Oi Léo! Saudades!

Eu também amava esse seriado. Era apaixonada pelo Bruce. rsrs (fases da adolescência!) rsrs
Tinham outras séries que gostava como: "Barrados no Baile", "Melroose", entre outras que vieram mais tarde.
Cara, Beijão!

Perfeito!! Você esta plugado no Maldita Futebol Clube...Tá na boa, tá na área!!

Esse é um blog feito para rapaziada que curte um rock and roll, é aficcionada por seu time e ama rádio. Se você era fã do Maldita Futebol Clube está no lugar certo. Se você ainda não é fã, a hora é essa: Impasse Livre! Diariamente você nos acha por aqui. È muito bom ter a sua presença conosco. Critique, e participe, pois sua opinião é muito importante. Esse é o espírito do ILFC: Democracia, humor, irreverência. Informação com paixão! Mande e-mails para: impasselivre@yahoo.com.br.
Entre na comunidade do orkut:malditafutebolclube Ouça nosso programa, pela INTERNET, toda quarta-feira, á partir das 2o horas em 1440 AM RJ.